Destaque Negocios
Publicado em 25/11/2016 às 11:09 - Autor:

Brasil supera marca de 100 milhões de internautas

internauta-computador-pessoa

O número de internautas brasileiros ultrapassou 100 milhões em 2015, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira (25). O total de pessoas com mais de 10 anos que se conectaram cresceu 7,1% naquele ano, em relação a 2014. O acréscimo de 6,7 milhões de usuários à população brasileira na internet fez esse contingente saltar para 102,1 milhões. Com isso, em 2015, subiu para 57,5% a porcentagem da população brasileira que navega na rede. No ano anterior, havia sido a primeira vez que mais da metade das pessoas se conectaram à internet. Atingiu o patamar de 54,4%. Foi também em 2014 que o total de domicílios online ultrapassou a barreira dos 50%. Chegou a 54,9%.

Sem computador
A internet no Brasil avançou apesar de recuar a adoção nas casas de um dos principais equipamentos usados para navegar na rede. O ano de 2015 registrou a primeira queda do número de domicílios que possuíam computador. O total de casas com acesso a micros caiu de 32,5 milhões casas para 31,4 milhões (ou de 48,5% para 46,2%) entre 2014 e 2015.

Também recuou a quantidade de residências que tinham PCs conectados à internet no mesmo período. Passaram de 28,2 milhões para 27,5 milhões. Para o IBGE, “Isso se deve ao crescimento do acesso por meio de outros equipamentos e em outros locais que não o domicilio”.

Com celular
Esse cenário é um aprofundamento de uma situação constatada na Pnad de 2014. Nesse relatório, o IBGE havia mostrado que os smartphones ultrapassaram os computadores e se tornaram os aparelhos preferidos para os brasileiros se conectarem à internet.

Já a Pnad de 2015, por sua vez, mostra que o celular continua tomando espaço de outro equipamento: o telefone fixo. Os aparelhinhos móveis passaram a ser o único telefone de 58% das casas brasileiras, avanço de 1,7 ponto percentual. O fenômeno é mais forte nas regiões Norte (74,7%) e Nordeste (72,8%).

Comentários