Destaque Política
Publicado em 06/10/2016 às 10:53 - Autor:

Número errado deixa candidata com um voto em Presidente Venceslau

janette-salgatelli-23789

Uma confusão no momento de registrar as candidaturas levou uma comerciante de Presidente Venceslau a fazer campanha com número errado nas eleições municipais deste ano. Janette Batista dos Santos, 55 anos, concorreu ao cardo de vereadora pelo PPS (Partido Popular Socialista), mas, por conta de um erro da coligação, recebeu apenas um voto. Ela reclama que tem sido motivo de chacota nas ruas da cidade e diz que irá entrar com um processo por danos morais contra “aqueles que a induziram ao erro”.

“Fiz minha campanha, entreguei meus santinhos e até fiz um vídeo com meu número de campanha. Então, a minha expectativa era ser bem votada, até porque trabalho no comércio há 11 anos e sou muito conhecida. Mas me fazem uma confusão dessa e tudo o que planejei cai por terra”, lamenta comerciante.

Tudo começou no dia 5 de agosto deste ano, data em que ocorreu a convenção partidária do PPS. Na ocasião, Janette Salgatelli, como foi registrada nas urnas, foi inscrita como pré-candidata com o número 23.789, conforme consta na ata da convenção. Porém, segundo o presidente municipal do PPS, Raphael Balhestero Júnior, no momento da coligação faze o carregamento dos dados junto à Justiça Eleitoral foi acusado o erro no número da aspirante. Ao invés de 23.789, Janete Salgatelli constava com o número 23.790.

A coligação teria feito a alteração, de acordo com requerimento encaminhado ao juiz eleitoral da Comarca de Presidente Venceslau, datado de 23 de agosto. Entretanto, teria mantido o número errado (23.790) quando os santinhos foram encaminhados para impressão gráfica. Com isso, a comerciante baseou toda sua campanha em um número que não existia e, ao receber o resultado das urnas, ficou surpresa com aquele único voto recebido.

Voto solitário
E poderia ser pior. Ela poderia fecha o pleito sem nenhum voto. Este voto solitário que a comerciante teve veio de uma amiga, que se confundiu ao se dirigir à urna e decidiu conferir o número antes, na lista de candidatos da seção eleitoral. Ou seja, nem ela, nem seus familiares confirmaram voto para ela no número correto.

“As pessoas estão rindo de mim na cidade inteira. Estou me sentindo humilhada, pois aonde vou todos riem de mim. Em minha campanha meu lema foi para darmos uma chance para o Brasil, mas como você vai dar uma chance para o Brasil, se a gente mesmo é passado para trás?, lamenta a ex-candidata. Por isso, com o suporte do partido, Janete Salgatelli pretende buscar seus direitos na Justiça, contra a pessoa que porventura tenha a induzido ao erro.

“Estamos tentando apurar quem foi o responsável pelo erro na transmissão dos números no comitê. O que podemos fazer para ajudá-la é tentar saber quem fez, para que ela possa procurar todos os caminhos que ela tem direito”, confirma o presidente do partido. Quanto ao cartório da 102ª ZE (Zona Eleitoral) de Presidente Venceslau, o chefe de cartório, Eder Marinho Vieira, diz que “não há o que ser feito”, uma vez que “toda documentação pertinente ao cartório foi feita de maneira correta, com base nas informações repassadas pela coligação”, ressalta.

Jornal O Imparcial

Comentários